Saiba mais sobre testes rápidos em farmácias

saiba-mais-sobre-testes-rápidos-em-farmácias
Foto: Shutterstock

Com o objetivo de esclarecer sobre a realização de testes rápidos em farmácias, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) preparou perguntas e respostas com as principais questões sobre o tema, totalizando 20 itens de consulta. Confira abaixo!

A partir de quando os testes rápidos estarão disponíveis nas farmácias e drogarias?  

A disponibilidade dos testes rápidos em farmácias e drogarias dependerá da decisão do estabelecimento de oferecer ou não este serviço de assistência à saúde. A norma da Anvisa não estabelece obrigatoriedade desse serviço nessas unidades.

Qual a forma de coleta de amostras, tipo de análise e tempo para o resultado de cada exame?

Para o teste rápido, a coleta de sangue é semelhante à que é feita para medição de glicose, com uma picada no dedo. Logo depois, a amostra é colocada em um pequeno dispositivo de teste, que dará o resultado entre 10 e 30 minutos. O exame só é indicado a partir do sétimo após o surgimento dos sintomas da doença. Esse tempo é necessário para que o organismo tenha produzido quantidade suficiente de anticorpos que possa ser detectada no teste. Se o resultado for positivo, indica que a pessoa já teve contato com o vírus e tem anticorpos (defesa do organismo).

Se o teste der negativo, a pessoa está liberada do isolamento? 

No caso do teste rápido, isoladamente o resultado não fornece subsídios suficientes para determinar se a pessoa teve ou não a Covid-19. Por isso, o diagnóstico dependerá da avaliação de um profissional de saúde, com base também em outras informações.

Toda farmácia precisará oferecer os testes rápidos? 

A medida não será obrigatória para todos os estabelecimentos, mas os que aderirem deverão adotar as diretrizes, protocolos e orientações estabelecidas pela Anvisa e pelo Ministério da Saúde, tais como:

  • seguir as Boas Práticas Farmacêuticas, nos termos da RDC 44/2009 e das diretrizes da RDC 377/2020;
  • ser realizado por farmacêutico treinado;
  • utilizar os dispositivos devidamente regularizados junto à Anvisa;
  • garantir registro e rastreabilidade dos resultados; e
  •  delimitar fluxo de pessoal e áreas de atendimento, espera e pagamento diferentes para os usuários que buscam os serviços de teste rápido em relação aos que buscam os outros serviços na farmácia.

Quem vai aplicar o teste precisa utilizar equipamento de proteção individual (EPI) específico? 

Sim. O profissional de saúde que irá aplicar o teste em farmácias é o farmacêutico. Ele deve estar devidamente paramentado para proteger-se e também para proteger o paciente. As orientações publicadas pela Anvisa determinam para estes profissionais:

– higiene das mãos frequente com água e sabonete líquido OU preparação alcoólica a 70%;

– óculos de proteção ou protetor facial;

– máscara cirúrgica;

– avental;

– luvas de procedimentos.

Fonte: Anvisa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *