Pílulas para dormir aumentam o risco de Alzheimer

Pílulas para dormir tomadas por centenas de milhares de pessoas podem aumentar o risco de Alzheimer, sugere um estudo. Pesquisadores descobriram que o risco de desenvolver o distúrbio de roubo de memória é maior para os pacientes que tomam benzodiazepínicos e Z-drogas.

E a enorme análise revelou um risco maior para aqueles que tomam medicamentos mais fortes e para aqueles que tomaram as drogas por mais tempo do que o recomendado.

Os números sugerem que há pelo menos 260 mil pessoas na Grã-Bretanha e quase 100 milhões nos EUA que tomam benzodiazepínicos e Z-drogas por pelo menos um mês. O uso recomendado de benzos e drogas-Z não é mais do que 4 semanas.

Os médicos distribuem benzos, que retardam as funções do corpo e são altamente eficazes a curto prazo, para combater a ansiedade e a falta de sono.

Z-drogas são sedativos hipnóticos que funcionam de forma semelhante aos benzos. Os mais conhecidos são zolpidem, zopiclone e zaleplon.

As evidências estão crescendo sobre os benzos – uma classe de sedativos poderosos, que incluem Valium, Xanax e Rivotril – e suas ligações com o vício perigoso.

E o novo estudo, realizado pela Universidade do Leste da Finlândia, se confirmado em outros testes, pode adicionar à longa lista de perigos, incluindo quedas e até mesmo uma morte prematura.

Os pesquisadores analisaram o uso de benzodiazepínicos e drogas Z e a prevalência de Alzheimer entre 353.000 participantes. Dos participantes, um quinto já havia dado a notícia devastadora de que eles tinham a forma mais comum de demência entre 2005 e 2011. Registros médicos de cada participante desde 1995 foram coletados, para examinar quaisquer ligações entre o uso de medicamentos e o distúrbio.

Para os pacientes que tomam benzodiazepínicos ou Z-drogas, o risco de Alzheimer aumenta cerca de 6%, segundo uma análise.

Pesquisadores liderados por Vesa Tapiainen também descobriram que quanto maior a dose, maior a probabilidade de o paciente ser acometido pelo distúrbio. As descobertas do estudo finlandês foram publicadas na revista Acta Psychiatrica Scandinavica.

Durante décadas, grupos de pacientes, instituições de caridade e especialistas em vícios alertaram sobre o uso excessivo de benzodiazepínicos.

Fonte: Saúde Curiosa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *