Consumo de medicamentos diminui em 2018

As vendas de medicamentos aumentaram 9,8% nos sete primeiros meses do ano em comparação com igual período do ano passado. A informação é da Associação Brasileira de Distribuição e Logística de Produtos Farmacêuticos (Abradilan), entidade que reúne 141 empresas distribuidoras de medicamentos e produtos de higiene, beleza e nutrição. Os negócios somam R$ 3,28 bilhões, contra R$ 2,99 bilhões no mesmo período de 2017.

Neste ano, foram comercializados 611 milhões de itens, incremento de 4,7% em relação à temporada passada. Santa Catarina é o oitavo Estado onde mais se vendem medicamentos no país. No Brasil, entre julho de 2017 e julho de 2018, as vendas totalizaram R$ 5,568 bilhões, 11,6% mais do que mesmo período comparativo do ano anterior.

Na distribuição de segmentos na Abradilan em julho, os medicamentos genéricos e similares representaram 42,5% das vendas, em valores. Em unidades, o percentual é maior: 44%. Ainda no mesmo mês, o relatório apontou que os associados da Abradilan atingem 85% das 75 mil farmácias no Brasil. Eles têm as suas participações mais relevantes, pela ordem, em Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia. Completam a lista dos principais mercados os Estados de Goiás, Ceará, Pernambuco, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Paraná. A Abradilan não divulga dados por Estado.

Fecomércio lista o que atrapalha os negócios

A Federação do Comércio de Santa Catarina apresentou a Carta do Comércio, com ampla radiografia sobre os oito aspectos que mais influenciam e preocupam os empresários. A lista abaixo, com a pontuação respectiva, revela o grau de inquietação que eles têm em relação a cada um dos pontos analisados no levantamento pelos técnicos da entidade.

A pontuação vai de zero a dez. Quanto maior, significa que há mais problemas.

ÍNDICE DE DIFICULDADE EMPRESARIAL

Infraestrutura: 8,5.

Sistema legal e tributário: 8,19.

Concorrência: 8,14.

Captação de recursos: 7,99.

Ambiente econômico e demográfico: 7,54.

Comércio exterior: 7,53.

Condições de inovação: 6,86.

Legislação trabalhista: 5,74.

Saúde

A aquisição do Hospital Baía Sul, de Florianópolis, pela Hospital Care, pertencente aos fundos Bozano e Abaporu, é só a mais recente demonstração de que o setor de saúde está em processo de consolidação no país. Os acionistas dos fundos são o economista Paulo Guedes e o empresário Elie Horn.

Centro de inovação

A Mexichem Brasil sedia, em Sumaré (SP), o primeiro centro de inovação da companhia na América Latina. A empresa tem fábricas em Joinville. Todas as etapas de manufatura que envolvem as participações dos operadores de linhas estratégicas de produção foram avaliadas a partir das novas diretrizes que integram o conceito de automação industrial. Inclusive, muitas das características de internet das coisas (IoT) foram utilizadas como base neste projeto-piloto.

A empresa alcançou um ganho de produtividade de 25% nas maiores e mais complexas linhas, que correspondem a 60% do processo total de produção em termos de volume de extrusão. Assim que todas as etapas de implementação forem concluídas nas linhas de produção em Sumaré, o projeto será replicado de forma gradual nas demais unidades fabris da Mexichem no País.

orto de Itajaí

A APM Terminals, com operação no Porto de Itajaí, movimentou 436.290 toneladas de cargas, que em comparação com o mês de agosto de 2017 apresentou aumento de 86% e um acréscimo de quase 30 mil toneladas. No comparativo de TEUs (unidade de medida equivalente a um contêiner de 20 pés), o aumento foi de 72%, passando de 23.053 para 39.640 TEUs.

Fonte: A Notícia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *